Please reload

Posts Recentes

A tendência das cidades caminháveis

April 30, 2020

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

Qual é a sua pegada ecológica?

22/4/2020

"Ao celebrar o Dia Mundial da Terra hoje, somos chamados a redescobrir o sentido do respeito sagrado pela Terra, porque não é apenas a nossa casa, mas também a casa de Deus", disse o Papa Francisco hoje.

 

 

No dia 22 de abril, dia do Descobrimento do Brasil, também celebramos o Dia Mundial da Terra. "Uma oportunidade para renovar o nosso compromisso de amar a nossa Casa comum e cuidar dela e dos membros mais frágeis de nossa família. Como a trágica pandemia de coronavírus está nos mostrando, somente juntos e ajudando os mais frágeis podemos vencer os desafios globais”, declarou hoje o Pontífice.

 

 

Nosso planeta Terra, que completa mais um ano hoje, dentro da casa dos 4,5 bilhões, vai continuar existindo, pois a natureza, por mais sofrida e devastada, acaba se reconstruindo naturalmente. Mas nós não. Dependemos de ar, água e alimentos para viver.

O uso indiscriminado do carro é um dos grandes fatores da altíssima poluição em SP

 

 

E nossa passagem pela Terra tem sido cada vez pior. Todos os anos os humanos consomem — e esgotam — mais recursos naturais do planeta. Segundo relatório da organização Global Footprint Network, a humanidade está gastando os recursos 1,7 vezes mais rápido do que os ecossistemas conseguem se regenerar, o que equivaleria a usar 1,7 Terras em vez de uma só.

 

 

Simplesmente para viver, todos nós impactamos e interferimos no planeta. Ou seja, habitar neste mundo significar usar recursos ambientais e depois devolvê-los ao meio ambiente. Consumimos no dia a dia toneladas de alimentos, matérias-primas e também muita energia. Para você ter uma ideia da quantidade, atualmente a média do consumo per capita de energia é da ordem de 5,6 TEP (toneladas equivalentes de petróleo). Isso significa que seriam necessárias 5,6 toneladas de petróleo por ano para cada ser humano se toda a energia gasta por nós em transporte, lazer, habitação e alimentação viesse do petróleo.

 

 

Uma das formas de medir o nosso impacto individual é a chamada pegada ecológica, que mede a quantidade de recursos naturais renováveis usados para manter nosso estilo de vida. Sob a ótica coletiva, o cálculo da pegada de uma cidade, de um estado ou de um país ajuda a conscientizar a população e os gestores públicos sobre a necessidade de impactar menos o meio ambiente.

 

 

Segundo o Relatório Planeta Vivo, da rede WWF, a pegada ecológica brasileira é de 2,9 hectares globais por habitante. Ou seja, se todas as pessoas do planeta consumissem recursos ambientais como os brasileiros, seria necessário 1,6 planeta. Já a pegada ambiental de um americano típico é ainda maior: 8,6 hectares globais por pessoa.

 

           

Na direção certa

É óbvio que o planeta não aguenta mais esse nível de consumo e impacto – um dos sintomas tem sido a frequência de eventos climáticos, como ondas de calor, tempestades devastadoras e longos períodos de seca.

 

 

 

Ciclistas em Copenhague, capital da Dinamarca, uma das cidades mais cicláveis do mundo

 

 

Por isso, mudanças nas políticas públicas e também individuais são urgentes. Um jeito de melhorar a nossa pegada ecológica é evoluir nossa forma de locomoção: afinal, a maior parcela de energia consumida está relacionada ao transporte. Assim, dê preferência ao transporte ativo (bicicleta e pedestrianismo), ao transporte coletivo (trem, metrô e ônibus) e aos modais elétricos. O consumo energético por quilômetro percorrido de quem utiliza ônibus é muito menor do que o da pessoa que usa o carro. E esse consumo cai ainda mais se o transporte for sobre trilhos.

 

 

Depois que a pandemia passar, vamos fazer escolhas mais conscientes e sustentáveis. Cada vez que escolhemos substituir o carro pelo ônibus ou pela bicicleta, ou mesmo quando oferecemos carona, estamos nos locomovendo na direção de um futuro sustentável para todos.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Please reload

Arquivo