• Por Carlos Monteiro

Um cronista mais vivo do que nunca


Há 98 anos, em onze de janeiro de 1923, nascia, no Rio de Janeiro, Sérgio Porto. Jornalista, cronista, escritor, compositor, radialista, comentarista, teatrólogo, roteirista, humorista e, como costumava declarar, funcionário do Banco do Brasil ‘nas horas vagas’.

Sérgio atuou nas revistas "Sombra" e "Manchete", nos jornais "Última Hora", "Tribuna da Imprensa" e "Diário Carioca". Sua verve humorística, a partir da criação do pseudônimo ‘Stanislaw Ponte Preta’ – seu alter ego, talvez inspirado no personagem Serafim Ponte Grande de Oswald de Andrade –, passou, nos anos de chumbo, a atacar o governo com histórias reais, mas que pareceriam manchetes do atual “Sensacionalista”.

Ponte Preta criticava, de modo absolutamente irônico e criativo, em sua coluna "Fofocalizando", no jornal “Última Hora”, de Samuel Wainer, o regime militar e suas ações e declarações estapafúrdias, além de colunáveis e políticos. Chamava de ‘festival de besteiras’, que acabou evoluindo para “Febeapá - O Festival de Besteira que Assola o País”, com crônicas que ironizavam a ditadura, e se tornou livro em três volumes.

Stanislaw criou gírias, expressões e personagens como “cocoroca”, “sente o drama” e “samba do crioulo doido” - também título de uma composição sua para o teatro rebolado -, que passaram a fazer parte do dia a dia do país, além da Tia Zulmira irônica e debochada. Havia também os agentes da “Pretapress”, fontes que, por cartas, davam informações à coluna.

O escritor e cronista com as filhas Ângela, Solange e Gisela

Satirizando o colunista Maneco Muller, cujo pseudônimo era Jacinto de Thormes, precursor do colunismo social no Brasil, que fazia muito sucesso à época, Stanislaw criou "As Certinhas do Lalau", seção em sua coluna onde apresentava musas da temporada. Muitas atrizes e vedetes foram eleitas por meio de seu voto, o que acabou se tornando, por sua produção, um concurso de beleza. Algumas de suas crônicas memoráveis fazem rir até hoje. A melhor delas dá conta de que, após estreia do clássico ‘Electra’ de Sófocles, no Teatro Municipal de São Paulo, agentes do DOPS foram até o local com o intuito de prender o autor, acusado de subversão, que tinha morrido em 406 a.C. História semelhante se repetiu em Porto Alegre: o coronel Bermudes, secretário da insegurança gaúcha, acusou todo o elenco do Teatro Leopoldina de debochado e exigia a presença dos atores e principalmente do autor Georges Feydeau, em seu gabinete. O autor teve de desobedecer a sua ordem; morrera em 1921 em Paris.

O dramaturgo grego Sófocles


Outras dão conta do festival de sandices que parecem não ter mudado, muito pelo contrário: uma informa que o prefeito da cidade serrana fluminense de Petrópolis baixara normas para banhos de mar. Na capital da Paraíba, no ano de 1965, era presa Eunice Lemos Jekiel, quando almoçava num restaurante. A senhora vivera por mais de 20 anos nos Estados Unidos e acabara por esquecer sua língua pátria, o português. Motivo alegado para a prisão “é que ela estava falando inglês em público e, portanto, talvez fosse comunista”. O ministro da Saúde, dr. Raimundo de Britto, pronunciou uma frase para constar nos anais da literatura das besteiras e bobagens já ditas, oficialmente, neste país: “Para aliviar a despesa do Tesouro Nacional devem morrer de fome dez por cento dos funcionários públicos, nem que para isso se inclua meu filho”. O Embaixador do Brasil em Washington no governo Castello Branco, Juraci Magalhães, soltou a seguinte pérola: "O que é bom para os Estados Unidos é bom para o Brasil”. Parece atual? Foi há mais de 55 anos. Não para por aí: em Niterói – isto é até pecado, cruzes!!! –, numa feira de livros instalada na Praça Martim Afonso, a polícia apreendeu vários exemplares da encíclica papal Mater et magistra, sob a alegação de que aquilo era material subversivo. Tem mais: “Ontem um grupo de coleguinhas jornalistas estava comentando a nota enviada pelos outrossim coleguinhas jornalistas de Brasília, ao senhor ministro das Relações Exteriores. A nota, em síntese, pede a S. Exa que tenha suas relações exteriores, mas sem prejudicar suas relações interiores; isto é, os notistas ficaram um bocado chateados com as declarações de S. Exa., de que o noticiário dos repórteres que fazem a cobertura do contrabando de minérios por cidadãos norte-americanos é tudo mentira e os rapazes são todos comunistas, interessados apenas em atrasar nossas relações diplomáticas com a grande nação da América do Norte”. Em dias atuais teria muita matéria-prima para suas crônicas que, com sua criatividade, ganhariam contornos mais inusitados ainda. Foi há mais de 50 anos, alguma coisa mudou?

Posts Em Destaque
Posts Recentes